Após alguns anos de ostracismo, finalmente a Inter renasceu na Serie A, liderando a prova com mais dois pontos que a Juventus de Ronaldo, segunda classificada. No domingo, as duas equipas jogam entre si no Giuseppe Meazza.

Uma das rivalidades mais destacada de Itália, finalmente um Inter-Juventus terá o real valor do passado que sustenta. Depois de alguns anos de inoperância desportiva, a equipa de Milão parece ter ressurgido das cinzas e, até ao momento, lidera a Serie A com mais dois pontos do que a vecchia signora, grande dominadora do campeonato italiano nos últimos anos.

pub

Com 6 vitórias em 6 jogos (derrotou, entre outros, o Milan e a Lazio), a Inter está mais do que motivada e preparada para defrontar Ronaldo e companhia, fruto do rigor tático do seu treinador, Antonio Conte, um técnico que, no entanto, não descura o jogo ofensivo. Conte que foi campeão com a Juventus por três vezes como treinador, além de ter conquistado o título com o Chelsea, na Premier League, em 2017.

Nas seis partidas da Serie A, o emblema nerazurro somou 13 golos e sofreu apenas dois.

Em seis jogos, a Inter marcou 13 golos, dois a mais que a Juventus de Ronaldo
Em seis jogos, a Inter marcou 13 golos, dois a mais que a Juventus de Ronaldo

Já a Juventus tem, em 6 encontros, 5 vitórias e um empate, com 11 golos a favor e cinco contra. Ou seja, apresenta uma defesa mais frágil, algo que poderá ser aproveitado pela equipa local.

Campeã italiana desde a temporada 2011/2012, a Juventus tem como principal objetivo a conquista da Champions, mas, evidentemente, não desdenha a Serie A. Já a Inter, nestes anos de predomínio da Juve, o máximo que conseguiu foi o quarto lugar, o que demonstra como tem estado ao lado do futebol local, uma posição que, pelo menos até ao momento, tem conseguido ser diferente.

Na verdade, os bons ventos na equipa de Milão começaram a soprar em 2016, quando o grupo chinês Suning Holdings Group adquiriu uma participação majoritária do clube. Até então, a Inter não se qualificava para a Champions há seis anos, o que conseguiu nas duas últimas temporadas.

A contratação de Antonio Conte é apenas mais um passo nessa reestruturação do clube de Milão, assim como as contratações de Romelu Lukaku, Alexis Sanchez e Diego Godin, por exemplo (referências ainda para Stefano Sensi, Nicolo Barella e Lautaro Martinez). Godin que reencontrará Ronaldo, num dos duelos em Espanha quando ambos jogavam no Atletico Madrid e Real Madrid, respetivamente.

Por fim, e como curiosidade, refira-se que o sucessor de Conte no Chelsea foi Maurizio Sarri, hoje treinador da Juventus.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here